quarta-feira, 30 de abril de 2014

Centenário de Caymmi


Na semana passada minha cunhada ligou de São Paulo para informar que na televisão estavam apresentando um programa sobre Caymmi. Ela, irmã de minha mulher, conheceu-me jovem e já admirador, fã de carteirinha, do baiano. O programa era um dos vários que estão sendo apresentados nestes dias em comemoração ao centenário dele, que ocorre hoje, neste 30 de abril.
Entre as homenagens, no último domingo, o jornal O Globo publicou, em seu segundo caderno, vários artigos sobre Caymmi, destacando o músico, o pintor, o baiano, o carioca, o mineiro, o patriarca. Acrescentaram sua condição de mineiro porque, fiquei sabendo agora, ele tinha uma casa em São Pedro de Pequeri, em Minas Gerais, onde nasceu Stella Maris, sua esposa. Pequeri era, como publicou o jornal, “seu espaço de calma na maturidade ao lado de Stella”. A coluna de Caetano Veloso também foi dedicada a Caymmi. Para completar, foram relacionados discos de sua obra e curiosidades sobre o compositor.
Venho juntar-me aos que estão homenageando esse artista ímpar de nossa música popular. Fiz minha “Reverência a Caymmi” em meu primeiro livro e a transcrevi em crônica, neste blog, no ano passado, no mês de seu nonagésimo nono aniversário. Contudo, sinto que, hoje, não tenho o que acrescentar, a não ser a satisfação de ver celebrado seu centenário de nascimento e de ver reconhecida, pela mídia e por outros artistas, a obra notável do grande baiano.

Se você, cara leitora ou prezado leitor, quiser ler ou reler a crônica a que me referi, clique no link abaixo:

 Washington Luiz Bastos Conceição